Amigos do Blog

Pesquisar este blog

terça-feira, 26 de abril de 2011

THUYA OCCIDENTALIS - A filha do meio



THUYA OCCIDENTALIS

A filha do meio

A maior das sicoses

Personalidades Homeopáticas


 Um Bonsai (Thuya) com mais de 85 anos.


Digamos assim, para Hahnemann, esse era o grande remédio da sicose. A sicose foi descrita, estudada e catalogada por ele e é a segunda dentre três estágios. A ela pertence a condição de inibição. A Thuya, o Medorrhinum e Nattrum sulfuricum seriam seus maiores expoentes. A sicose (inibição) é a continuação da psora (excitação) mal resolvida, um estágio mais profundo e intermediário do que será se não for resolvida, o luetismo (disfunção). A deficiência se apresenta, exalta e aparece, aí você suprime e inibe (sicose), o próximo passo é a disfunção, a doença. A Sicose é o irmão do meio e Thuya a sua maior representação.

 


Thuya é a própria inibição em pessoa. Se tivéssemos que defini-la em uma só palavra, minusvalia iria abranger quase a totalidade de suas ações e funções. Com a auto estima no pé, tem certeza absoluta de que se as pessoas que o cercam o conhecessem iriam odiá-lo por isso, afinal ninguém gosta dele e isso é um fato. Não se sente capaz de atrair ninguém. 

 Bom se você está pensando que até aí existem muitas pessoas que se encaixam, você está certo, mais thuya vai além, muito além da minusvalia e da inibição. Quando essas duas estruturas se desdobram, vemos nascer o estado crônico das coisas, aquilo que vem se acumulando e está escondido no fundo. Nesse momento podemos dizer que thuya não sabe bem quem é. Não encontra sua identidade e isso faz sentido, afinal ele não é nada. Procura nos outros uma personalidade, tenta se ajustar a tudo e a todos. Se fulano é bonito, vou imitá-lo, se o outro é capaz de vencer, vou andar como ele, e falar como ele, quem sabe consigo.


Já sei, você pensa em inveja. Descarte. Thuya só faz isso porque se acha pequeno demais para ter alguma coisa, mínimo diante de outras realidades. Incapaz de ser e de ter alguma coisa. Se sente uma coisinha pequena de lado e fisicamente se apresenta assim também. Nessa busca, Thuya perde o contato consigo mesmo, já não sabe se gosta de roupas claras e clássicas ou não, afinal de contas existe uma máquina de fotocopiar dentro dela e ela perdeu as suas digitais.
 
Uma sensação muito interessante e verdadeira na expressão de Thuya é quando ela se refere a nítida certeza de que é feita de vidro, de que pode se quebrar a qualquer momento. Essa é uma das poucas expressões verdadeiras na verbalização dos seus problemas. Essa ilusão é sua marca e sua realidade mais verdadeira. Thuya é frágil.

 Vive um grande amor de frases feitas e comportamentos copiados, no fundo acha que tudo é distante e longe, sabe que é diferente do que copia e acaba solitário e dentro de um grande vazio. Prato cheio para as depressões, onde não se sabe o que está acontecendo, não consegue achar as palavras verdadeiras pra dizer. Se aparta das cópias e se perde no que se é de verdade. Esse é o vazio do qual essa personalidade se refere.
Na tentativa de agradar seus modelos, acaba por mentir e dissimular, esconde o que é feio e exalta o belo mesmo quando ele não acontece. No fundo acham que as pessoas fazem o mesmo em relação a ele. Faz sentido não é? Assim nasce a desconfiança e a lei de compensação, compensar suas inferioridades.

Suas manias se encontram em ser consciencioso com coisas pequenas (assim dá a impressão de que é organizado), idéias fixas (não consegue defendê-las, nem mudá-las – afinal são cópias), fasticioso (não desenvolve as questões, falta envolvimento e sentimento verdadeiro pra isso).

Essa personalidade não sabe a beleza que tem e isso é verdadeiro.

Duas coisas incomodam Thuya e fogem ao controle interno da sua personalidade, digo ao controle desordenado dessa personalidade. Uma delas é a música, claro. A música encontra brechas dentro do ser humano e thuya se curva a ela, chorando e se emocionando, principalmente se tiver um cunho religioso. A música é capaz de atingir aquilo que sua personalidade não define, é profundo e verdadeiro. Thuya tem medo do vento, em todas as suas expressões. O vento não pede passagem, não se preocupa em pedir licença, chega, arrasta, retira a ordem, muda a postura, avança. Chamomilla e Pulsatilla também tem medo do vento, entretanto não se segue a sensação de vazio. 

 Thuya cria barreiras quase intransponíveis. Cria muros.


Fisicamente Thuya explode de forma controlada, escondida, inibida.
Retenção hídrica, aparecimento de verrugas, tumores e condilomas, lesões graves idéias obsessivas, fixas e depressão psíquica obsessiva fazem parte de suas reações.

Quando thuya piora as 5 da tarde (isso é crônico), sabemos que está ligado a água – ao rim – a bexiga, a retenção hídrica, seguida de frio. Thuya é friorento. Muitos dos seus sintomas podem ser aliviados com grande quantidade de expectoração, do tipo coriza e catarros crônicos.



Aliás é comum e notório saber que quando não se sabe e não consegue se identificar com precisão a o estado crônico que não avança e não melhora, dê-se thuya e observa-se. 

A Bulimia e a Anorexia encontram aí uma grande ajuda.
Sua lateralidade é à esquerda e se aplica tanto a dores de cabeça, quando a disfunções nasais. Sobrancelhas que terminam do lado esquerdo de forma irregular, finas. Thuya dorme do lado esquerdo e acorda as 4 da madrugada.
Thuya tem diarréia com café.

Seus sonhos são relacionados a sua fragilidade em sustentar a sua personalidade, sempre sonha que está caindo, não levando tombos, caindo, despencando.
Thuya urina com jato duplo e sua transpiração é oleosa, adocicada e Fétida.

Duas coisas sobre thuya que todos já sabem, mais que podemos enxergar de forma diferenciada:

Sua inibição representada de forma física se encontra na vacinação e nos tumores e condilomas. É comum tomar Thuya na Ch 30 após vacinas. Aqui a personalidade reage melhor a problemas assim. A vacina causa supressão, Thuya resolve. Não permite os efeitos colaterais nocivos por assim dizer. (varíola).

 Agora pense em condilomas escondidos no reto, no estômago, no aparelho reprodutor, útero, ovário. Pequenos tumores, pequenas verrugas – pense em Thuya. As verrugas são sua maior expressão externa e a reação a gonorréia sua maior complicação interna. Por isso mesmo Medorrhinum é complementar de Thuya, junto com Sabina, Silícia, Arsênico e Nattrum sulfuricum fazem sentido nessa caminhada.
Muito se pode falar dessa personalidade na construção de sua estrutura física, pouco se observa o sofrimento silencioso dessa personalidade. Muitas vezes confundida com o estágio psórico, ela custa a ser desenhada devido a sua resistência em se mostrar. Thuya vai literalmente além das suas aparências e quando chega a esse ponto realmente pede socorro.

Não é a toa que a depressão e a bulimia estão ocupando grandes espaços. Thuya se encontra no caminho do meio, é uma personalidade que pede socorro de forma silenciosa e tenta mesmo que de forma atabalhoada e confusa uma saída menos dolorosa para a sua premente sensação de não ser nada.

Dedicado ao Dr. Joãa A., Dr. Lucca e ao Dr. Pedro M - médicos homeopatas, anônimos trabalham em prol de um mundo melhor.

 Homeopatas dos Pés Descalços


Sabbatia angularis - Uma amiga contra a Malária

Sabbatia angularis /Chironia centuary angularis. Centaury americano - 'angularis Sabbatia 

Uma amiga contra a Malária – Maleita. 
Seu uso é indicativo de tintura mãe.


Um valioso remédio para as febres periódicas e próprias do outono.

É uma bela planta anual que cresce de forma abundante  no Médio Oriente e Estados do Sul, e cada parte dela é um medicamento pelos nativos das regiões. 

No caso da tintura é mais utilizada as flores. O gosto é amargo, mais pouco se sabe além do descrito por  Brickmann. É uma planta com um gosto amargo sem produzir náuseas ou enjôo e de pouco poder aromático. Alguns artigos a comparam e lhe dão vantagens sobre a Cinchona Officinalis ou Casca peruana como é conhecida. 

A Sabbatia tem a facilidade de ser empregada com sucesso em todas as fases das doenças a que se aplica e sua maior e mais famosa aplicação é no combate a Maleita ou Malária. 

Segundo o Dr. Comfort - O modo usual de prescrição é de forte infusão, que é dirigido a serem tomadas, sem muita limitação. Para uso externo comprime feito da infusão e aplicado a úlceras, eczemas, pequenas feridas e fazer gargarejos, contra úlceras na boca ou na garganta.


A Sabbatia  estimula os movimentos do estômago e do intestino , combate gases e depois disso apodrece, o que a torna um pouco laxante. Costuma ser indicado nos casos de catarro no estomago e má digestão.


Quando existe a chamada putrefação intestinal, se lembra de Sabbatia, ela ajuda a reduzir a febre alta que costuma acontecer nesses casos, combate a falta de apetite e a deficiência hepática advindas da maleita.


Sobre a Maleita -
http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=s0009-67252003000100021&script=sci_arttext


Homeopatas dos Pés Descalços

quarta-feira, 20 de abril de 2011

SALIX ALBA E SALIX NIGRA - UMA MESMA FAMÍLIA, DUAS PERSONALIDADES


SALIX ALBA / A mãe da aspirina.

Aqui falamos do salgueiro branco e sua tintura mãe. Seu uso maior se dá nas convalescências demoradas, prolongadas. Nas febres intermitentes onde o aparelho digestivo fica lento e fraco.  

O uso dessa tintura é contra indicado para quem problemas com aspirina/acido acetil salicínico

O salgueiro “alvar” ou salgueiro branco como é conhecido, tem como um dos principais princípios ativos a salicina e a saligenina, que possuem identidade química incontestável com o ácido salicílico. 

Assim sendo usar o salgueiro para as febres sempre fez sentido para a medicina popular. 

As ações mais importantes da salicina são como analgésico, antipirético e antiinflamatório, provavelmente por bloqueio da produção de prostaglandinas, substâncias que exercem um papel fundamental na dor, além de permitir também um controle da hiperexcitabilidade nervosa. A salicina também é útil no tratamento das cólicas, principalmente, daquelas que se originam por uma liberação de prostaglandina, no caso das dismenorréias. O reverendo Stone, “redescobriu” as propriedades da casca do Salgueiro e as descreveu de forma científica, isso aconteceu em 1763. O princípio ativo, batizado de salicina ou ácido salicílico foi isolado em 1828 pelo farmacêutico francês Leroux e pelo químico italiano Piria.



Uma das plantas mais antigas reconhecida como antiinflamatório é o Salgueiro, ou Chorão, a Salix alba. Quem não há viu num filme que retrata os tempos antigos de reis e rainhas. Hipócrates, considerado o pai da medicina já sabia no século V antes de Cristo, que essa planta aliviava dores e diminuía a febre. O Egito e os povos Assírios também a utilizavam. Nos Estados Unidos usavam-na para cefaléia, febre e reumatismos, utilizando para esse fim, as suas cascas. Ainda é comum encontrar cascas para vender em feiras de produtos naturais.

Seu uso mais comum, entretanto se faz na Homeopatia Vegetal, “tintura mãe” com o uso da tintura mãe. Não costuma brigar com nenhum outro medicamento homeopático descrito. É sempre um bom coadjuvante e um importante amigo especialmente em tempos onde existe a não adaptação do corpo a muitos medicamentos químicos ou pelo excesso do uso. 

SALIX NIGRA – O MODERADOR DOS DESEJOS




Eis o Salgueiro negro, ereto. Adocicado, quando floresce chama a atenção dos insetos que o desejam profundamente. São sempre belos, cheios de desejos, sonhos e atitudes voltadas para a excitação e o prazer sexual.

Essa personalidade por assim dizer passa da Tintura mãe e da Homeopatia Vegetal e é indicada na Ch 2 em diante. Os pensamentos e fantasias eróticas, muitos e sempre, é uma força sexual contínua. Ninfomania e histeria. Nervosismo. Em Salix Nigra dói o couro cabeludo, a raiz dos cabelos por assim dizer, dói os olhos ao menor tato, assim como a pele do corpo todo. O músculo dói, sendo assim sua tendência é a de deitar e dormir.




Salix nigra é bastante uado para tratar de inflamações na gengiva, dores nas gengivas e para o tratamento de diarréias comuns e violentas. 








Segundo  "Vijnovsky - Homeopática Matéria Medica" existe Grande excitação sexual com sonhos eróticos, com ereções violentos, muitas vezes dolorosa, a droga controla o desejo sexual excessivo, como em tintura, em doses de 30 a 60 gotas (Boericke, Fearns) ou o 4 ou 5AC (Voisin ). 

Sem dúvida o ato sexual tem a maior das importâncias quanto a essa personalidade. A Masturbação é constante, entretanto não apresenta as feições de uma pessoa tola ou vulgar, é sensualidade a flor da pele e por talvez por esse motivo sua pele venha a doer – encostou arrepia.

 Nos homens existem as poluções noturnas, são muito comuns e mesmo que Salix Nigra sonhe muito, pode acontecer sem que tenha sonhado. Adivinha com que sonha? Sexo, principalmente as mulheres, com grande excitação sexual antes e depois da menstruação. Se houver coceira na vagina no período menstrual, aumenta seu desejo por sexo. Aumenta a temperatura das coxas, acorda a noite sonhando com sexo e se estiver no meio da menstruação pode até ser mais forte. Se essa menstruação for acompanhada de dolorimento dos ovários ou de menorragia, a excitação continua grande.  

Metrorragia de miomas uterinos – Vijnovsky.

É comum essa personalidade sofrer de Gonorréia aguda e virá com muita excitação sexual. Nos homens a dor nos testículos. 

Outra dor fácil de detectar é a lombosacral que o faz andar sempre devagar.



Salix Nigra sonha muito e sempre, se excita sexualmente sempre, a masturbação parece ser se alvo e o nervosismo é sempre de origem sexual.
Por esses motivos ficou conhecido como moderador sexual, especialmente nas histerias femininas e na violência sexual masculina. É a personalidade que pensa com o pênis ou com a vagina ou ainda o moderador dos desejos.

Homeopatas dos Pés Descalços


terça-feira, 19 de abril de 2011

SAMBUCUS NIGRA – EM BUSCA DA PAZ

SAMBUCUS NIGRA E A SUA PERSONALIDADE HOMEOPÁTICA
(Pesquisa Prática e Literatura)
Mat. Ced. Elisa M. Costa


Lev Búlgaro

Eis uma medicação um tanto quanto esquecida e de uma personalidade maravilhosa. Desprezado por muitos homeopatas, talvez por falta de maiores informações, essa personalidade se encontra mais nas regiões mais simples, afastadas dos grandes centros. Possui uma religiosidade a flor da pele e pode ser a princípio facilmente confundida. Homeopatas mais antigos como o Dr. Jousset, descrito por Nilo Cairo, faziam referencias bem marcantes sobre essa medicação. O Dr. A Brickmann o descreve com grande propriedade.

 
Assim encontramos Sambucus na literatura homeopática para uso comum - Sambucus nigra.



Crianças de peito com coriza seca ou úmida e nariz entupido. Laringismo estridente, espasmos da glote: a criança acorda de repente, sufocada, inspira o ar, mas parece não poder expirar. Sarampo.






Comecemos por identificá-la melhor. Sambucus vem do sabugueiro, ou seja, pode também ser chamado de Sambucus nigra L., Sambucus ebulus L., Sambucus australis Cham e Schlt. Também pode ser chamada de mestre – João.

Cercada de mistério, Sambucus foi descoberta a muitos anos, data da Antiguidade, com diversos usos. É nativa da Europa e do norte da África e facilmente disseminou-se pelo mundo todo. Podemos incluir aqui as lendas sobre essa Planta arbustiva, folclore e superstição.  


Em tudo vemos sua personalidade aqui: Dizia à lenda que, de sua madeira foi feita a cruz onde Cristo morreu. Isso porque ao espremer o fruto do sabugueiro escorre um suco de cor vermelho-sangue. Assim sendo, dá azar cortar um sabugueiro. Outro conto diz respeito as fadas brancas que moram no seu interior, sendo elas responsáveis pela flor pequenina e branca, de um perfume agradabilíssimo. 

Sendo assim já dá pra imaginar que Sambucus é prá de supersticioso, com tudo, especialmente em questões religiosas. Tudo lhe causa aborrecimento, tudo irrita, afinal tudo é sério demais, tem um peso enorme e carrega o mundo literalmente nas costas. Muito usado para os estados de Pânico, pessoas que já tem essa tendência e assim se segue após ansiedade forte, agitação e tremores. O tremor e o estado de sufocação são dois sintomas muito ligados a essa personalidade. Parece que perde o fôlego, tamanho susto, tristeza, medo, emoções fortes (alegria ou tristeza) ou excessos sexuais. A cianose (sufocação) acompanha essa medicação desde os primeiros dias de vida.

Sambucus é capaz de tirar uma cena lida no jornal e ver o sangue espalhado na sua sala. São delírios visuais, ao piscar os olhos, não possui esses mesmos delírios com os olhos abertos. Suas alucinações são sempre terríveis, assustadoras. Não se sentem a pior pessoa do mundo, mais acham que seu fardo é sempre pesado para carregar e assim sendo tudo o que sabemos sobre pulmão, pele e principalmente transpiração entram aqui, na análise dessa personalidade. Ele pode conseguir fazer todas as coisas, é agradável, dá atenção as pessoas e se sente com a responsabilidade de suportar esses testes, impressões, avisos e tudo o mais. Não se acha santo ou a pessoa escolhida por Deus. Ele é um simples que tem uma missão a fazer.

Quando uma pessoa forte emagrece rapidamente (emagrecimento bruto) sem medicação e sem doença aparente, desconfie de Sambucus. Tudo nele piora deitado e do lado esquerdo. Sambucus melhora se estiver na ativa, andando, mexendo, resguardado em local fechado. Sua pior hora é a meia noite, entretanto sua irritabilidade é igual a de Arsênico, o que o coloca de 2 a 3 horas da madrugada num estado não muito confortável.


Sambucus pode entrar em pânico ao ver grande quantidade de sangue. Se assistir esse filmes antes de dormir, sentirá todo o seu corpo tremer e terá igualmente a sensação de tremor interno, como se sua carne e seu sangue tremessem juntos.

A cabeça de Sambucus - Se Sambucus estiver irritado, agoniado, com medo, ele melhora no movimento, entretanto se alcançar a confusão mental (não visualizar bem suas alucinações – por exemplo) ou seja, ficar confuso mentalmente, ele terá tonturas e terá uma dor de cabeça que pode se localizar nas têmporas ou na testa e com a sensação de rasgo e que joga sua cabeça para trás, como se empurrado ou diante de uma colissão. Alíás essa sensação de rasgo diante das dores é sempre relatada e deve ser bem definida.
Escaras na cabeça com coceira insuportável são comuns nos estados agudos e um importante sintoma dessa personalidade. Sensação de inchaços, dormência e tensão no rosto. 


O inchaço e a coceira fazem parte da vida dessa personalidade. Erisipela no lado esquerdo, pontos na orelha direita, com dor, prurido e formigamento nos ouvidos e garganta. Entorpecimento do nariz, com coceira. Rosto azul escuro e inchado, ou pálido e terra. Bochechas vermelhas como em Belladonna, ou nariz e bochechas parecendo um spot de tão luminoso. Existe pressão nos ossos do rosto.
Comichão e cócegas na garganta. A curiosidade fica por conta da secura da boca e garganta, entretanto sem sede.



Igualmente parecido com Belladonna estão às dores abdominais, violentes, fortes, como se levasse um soco. Dor nos músculos abdominais.
A folha do sabugueiro é boa para gripes, resfriados, tosse, sarampo e caxumba.
Pressão no estômago. Gastralgias com pressão, muito parecido com Nux Vômica.
Vontade freqüente de urinar, com a micção abundante, mesmo à noite. Muita urina de jato fino. Sedimento de urina amarela e abundante. Inchaço do escroto mesmo em crianças. 

Mãos e pés inchados e cianóticos, azul escuro e antebraços. A dor rasgando nos ossos, nos antebraços e mãos. Edema dos membros inferiores, pés, pernas e joelhos. Pés gelada com o corpo quente. Dor no punho e dedos. Tremor quando escreve.
Tensão no tendão da coxa, como se seu membro fosse demasiado curto. Sensação de frio com entorpecimento e anestesia na tíbia direita, dor na tíbia. 

O sufocar e a transpiração.

 Sambucus Nigra

A personalidade de Sambucus dorme com os olhos e a boca entreaberta. Os braços estão sempre cobrindo a cabeça. Esse tipo de posição combina muito com seu estado emocional. Os olhos entreabertos significam vigília constante, evitando assim a sensação das visões e a boca porque muito tem de particular com a dificuldade eminente de respiração e suas complicações. Sambucus puxa o ar, mais parece que não solta. O recém nascido que não consegue mamar porque não consegue respirar em conjunto. Grita de fome, mais se sufoca sempre. Dorme e acorda gritando e sem conseguir respirar. Nariz seco e completamente obstruído, especialmente em crianças, inclusive recém-nascidos com ruídos no nariz para tentar respirar. Quando adulto está sempre com a boca entreaberta.  Acorda a noite como se tivesse afogada. 

O paciente, geralmente uma criança, de repente acorda em torno da meia-noite ou mais tarde, ou asfixia, com severa deficiência de respiração, chorando ou gritando, intensa preocupação geral e das mãos, com cianose da face e membros, não pode respirar o ar ou ser deitado com a cabeça para baixo, fazendo saltar da cama, com acessos comuns que continuam até ás 4:00 (pior que a 3) com tosse, obstrução nasal e suores facial. A asma em crianças, dormir com dispnéia. Tosse seca, profunda anterior acesso febril.

Calor e suor no rosto. Calafrios com tremores antes de adormecer. Febre com calor, pele seca em adormecer ou durante o sono: depois de se aposentar, sem sede e medo de revelar. Febre com calafrios em qualquer fase do paroxismo. Começando sudorese profusa rosto e se segue por todo o corpo. Isso pode ocorrer ao despertar e na última vigília (último período do sono), dormindo e só volta a desaparecer de pé. Suando 19-1 hora. Suando todo o corpo exceto a cabeça, ou deitado; a noite costuma ser suor abundante, mas não debilitantes, mesmo na febre ou estado febril, o que melhora pelo movimento, com aversão a descobrir. A transpiração abundante conforme descrevemos aparece com quase a totalidade dos outros sintomas, o que nos leva a crê que se torna uma alavanca para maior detalhamento da personalidade.

Na sua grande maioria, essa personalidade já se mostra muito fisicamente em criança, o que nos desperta para o conjunto de sintomas físicos como a transpiração e, a cianose e o sufocamento. Quando adulto essa personalidade cresce desconfiada, não gosta muito de fechar os olhos, mais com certeza vai se tornando muito calada. O medo de estar louco ou do vão dizer marcam a dificuldade de análise, entretanto Sambucus não vai gostar de vermelho. Os três sintomas citados nos dão terreno para comparar entre Belladonna, Arsênico, Sépia, Nux Vômica, Drósera ou mesmo Conium. 

Seu peso emocional é físico, sua sufocação emocional é física, sua transpiração é física em decorrência do emocional. Bom mesmo é tratar logo quando criança e é claro que quando se fala em tosse seca por aqui, lembra-se sempre de Ipeca. A Ipeca poderá ser administrada em conjunto com Sambucus nos xaropes e tinturas.

Entre a força da madeira e o peso do destino, eis uma medicação e uma personalidade que se confundem entre o físico e o emocional com extrema junção de pontos em comum. Quando medicado sua recuperação ocorre no período de um dia, sua ação é rápida. 


 Sambucus busca a tão falada paz da cruz.


O que desencadeia Sambucus é sem dúvida o pânico, seja em recém nascido, seja em adulto. O sufocamento das crianças – o pânico que não se fala, com tremor e coloração azulada, sem conseguir respirar, com todos os sentidos ao extremo. O adulto se vendo sem a possibilidade de equilíbrio, sem poder fechar os olhos e nem dormir em paz, parecendo com o ranger de uma madeira sempre cortada. Respirar e dormir são duas coisas de suma importância para o equilíbrio de qualquer ser humano, é isso que Sambucus busca, apenas viver em harmonia. 

Homeopatas dos Pés Descalços

segunda-feira, 18 de abril de 2011

SABINA - uma aliada das mulheres


SABINA – Juniperus Foétida, J. Sabina, Sabina Officinalis entre outros. 

Sabina é uma medicação especialmente feminina. A sua visão é sempre de resistência, raiz, força e capacidade de se adaptar. Procura muitas vezes o isolamento. Busca o equilíbrio.

Acaba por ser uma grande companheira de Thuya. Sua eleição é por dores articulares, e a Gota pode encontrar aqui um alívio, inclusive nódulos gotosos. Os punhos e os artelhos são os mais beneficiados por essa medicação.



Normalmente quando sentimos dor e estamos enfermas, sentimos a dor específica para a enfermidade a que se refere, Sabina não. Seja qual for à moléstia que ela tenha, sua dor é pontual, sua dor além de dilacerante encontra parada certa nos ossos da bacia – indo do sacro ao púbis. Essa é a grande dor de Sabina, todas as outras ela dará puçá importância.

Se lhe ataca a gota nos punhos, inchando e formando grumos, sentirá dores na bacia. E se pensar numa compressa quente para alívio, esqueça, o calor piora muito. Precisa de ar, de vente e de ar livre.


As verrugas são comuns nessa personalidade, por isso fisicamente ela e Thuya estão juntas, uma a ajudar a outra. Suas vertigens acontecem na menstruação que em geral é abundante, parecendo hemorragia. Com sangue grosso e talhado, cheio de placas e profusa, o que lhe faz ficar quieta, o movimento esquenta e o calor sempre é ruim para Sabina.

Há tempos é usada nos primeiros meses de gravidez, para se evitar o aborto e as hemorragias uterinas. Sabina trabalha na retenção da placenta.
A maior das curiosidades de Sabina é que em estados doentios a música piora o seu estado, dando-lhe a irritabilidade de Arsênico, por exemplo, ou a violência de Belladona.

No caso de metrorragia, ela sempre vem acompanhada de dores articulares.
Na dor fixa que sente é comum que sua descrição lhe aproxime de Rhus Tox, não é atoa que também se complementam, é a mesma dor de sentir os ossos dilacerando e quebrando, intensa e forte, mais em Sabina essa dor só ocupa um lugar e em Rhus Tox não, é em todo o corpo.

De raízes fortes, Sabina nos leva a Thuya, tirando essas pequenas variáveis, uma complementa a outra em todas as miudezas que se seguem. Vale à pena lembrar sempre de uma, quando encontrar a outra. Inclusive nos casos de verrugas persistentes, aplica-se tintura mãe de Sabina no local.

Talvez e só talvez, isso é apenas um comentário, ver Thuya é acabar por encontrar um pedacinho de Sabina. Vale a pena estudar melhor isso. Muitas mulheres se beneficiariam.

Homeopatas dos Pés Descalços

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquise por matéria específica