Amigos do Blog

Pesquisar este blog

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

TENDÊNCIAS EMOCIONAIS DO INDIVÍDUO/PARTE II

ALIENAÇÃO MENTAL

Conceitua-se como alienação mental todo caso de distúrbio mental ou neuromental grave e persistente, no qual, esgotados os meios habituais de tratamento, haja alteração completa ou considerável da personalidade, comprometendo gravemente os juízos de valor e realidade, destruindo a
autodeterminação do pragmatismo e tornando o indivíduo total e permanentemente inválido para qualquer trabalho.

***
Caracteriza-se por impulsos ou movimentos que escapam a próprio vontade. Impulsos de alto destruição, impulsos violentos e assim por diante. 
pg 882


Impulso suicida – quando se fala nesse assunto, sempre me lembro de Aurum Met., alias isso acaba acontecendo com muita gente. Aurum sempre se desponta como suicida na sua fase final.
Entretanto Arsenicum Album também tem essa fama dentro da matéria médica, como o sentimento de perseguição acaba sendo o mais forte, ele se desdobra no fim, no suicídio. Mas, tem um outro, não muito badalado, Naja – insanidade suicida, pensamentos imaginários constantes. Eis uma medicação na qual se deve ficar atento.

Impulso homicida – Platina, aqui muito usada na ch 30, Hyosciamus e Arsenicum, estão no topo da lista.


Impulso incendiário: Ammonium Muriaticum e Stramonium, despontam nesse caso como os principais a serem observados.

Impulso de destruição: Cantharis, Veratrum Album, Belladonna e Stramonium. Inclusive uma identidade bem marcante da Belladonna é a violência – sem violência, não existe Belladonna.
 
Impulso de se mutilar (roer unhas, dedos, descascar feridas e outros), Arsenicum aparece mais uma vez, entretanto, Agaricus deve ser bem observado nesses casos.
 
Impulso ao roubo: Artemísia Vul e Nux Vômica, fazem parte desse universo de competitividade.

 
Homeopatas dos Pés Descalços 
aqui se tratam apenas de possibilidades, não deixe de consultar seu homeopata.

MEDICINA E HOLOCAUSTO IV







Natzweiler-Struthof - França.






Experimentos sobre gás mostarda

Diversas vezes entre setembro de 1939 e abril de 1945, experimentos foram conduzidos em Sachsenhausen, Natzweiler, e outros campos para investigar o tratamento mais eficaz das feridas causadas por gás mostarda. 

Pessoas foram deliberadamente expostas à gás mostarda e outros gases, o que causava graves queimaduras químicas. 

As vítimas feridas foram então testadas para encontrar o tratamento mais eficaz para as queimaduras de gás mostarda. Fonte: Introduction to NMT Case 1: U.S.A. v. Karl Brandt et al.. Harvard Law Library, Nuremberg Trials Project: A Digital Document Collection. 
  
86 judeus homens e mulheres foram gaseados em que, 80 deles pessoalmente por Josef Kramer para fornecer "peças anatômicas" para a coleção de esqueletos judaica de agosto Hirt 's laboratório anatômico da Universidade de Estrasburgo Reich , França. 


Trabalho árduo, experimentos médicos, má nutrição e maus-tratos pelos guardas SS resultou em cerca de 25.000 mortes. Entre os que morreram aqui, quatro do sexo feminino SOE (agentes) executadas juntos em 6 de julho de 1944: Diana Rowden , Vera Leigh , Andrée Borrel e Sonya Olschanezky .


 
O número total de prisioneiros chegou a 52.000 e aqui as experiências com gás  e os presos políticos foram os maiores feitos.


 Homeopatas dos Pés Descalços

                        

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

27 DE JANEIRO





NASCEMOS LIVRES E DEVEMOS PERMANECER LIVRES,
LIVRES DAS CERCAS,
LIVRES DE IDEOLOGIAS FANÁTICAS E SUPERIORES.

AS ATROCIDADES NÃO SE APAGAM,
TAL COMO LAPÍS NUMA FOLHA DE PAPEL


A TORTURA SEMPRE TEM DATA, DIA E HORA;
         O MEDO SEMPRE ENCONTRA UMA BRECHA,
                  O MUNDO SEMPRE ENCONTRA UMA DISCULPA PARA COMETER O MESMO ERRO.     POIS CABE A NÓS, MULHERES, HOMENS, SOCIOLOGOS, HISTORIADORES, EDUCADORES, PAIS, FILHOS ... NÃO ESQUECERMOS ...

 
 Sem Hitler não teria existido o Holocausto. Mas é claro que Hitler nunca poderia ter cometido o crime sozinho. Era a população, era a elite, cerca de 200 mil perpetradores somente na Alemanha – existia uma disposição para seguir em frente com isso, também por razões muito práticas, porque as pessoas esperavam ganhar uma vantagem material. 

NÃO QUEREMOS VER MAIS NOMES EM MEMÓRIAIS QUE DIGAM:
AQUI MORRERAM OS QUE LUTARAM PELA LIBERDADE, POR SUAS VIDAS, PELA JUSTIÇA.
aqui jaz, os que pagaram por existirem, pensarem, viverem...


BASTA OS QUE JÁ EXISTEM,
SUSPENSOS NA DOR,
NA MORTE,
NO SANGUE E NA TORTURA DE MILHARES DE CRIANÇAS, HOMENS, MULHERES E VELHOS ...

AMSK/Brasil

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

MEDICINA E HOLOCAUSTO


                         MALÁRIA E TIFO NO CAMPO DE DACHAU

Em torno de fevereiro de 1942 e abril de 1945, experimentos foram realizados no Campo de concentração de Dachau, a fim de investigar imunização para o tratamento da malária. Detentos saudáveis foram infectados pelo mosquito ou por injeções de extratos de glândulas mucosas das fêmeas de mosquitos infectados. Depois de contraírem a doença, estas pessoas foram tratadas com várias drogas para testar sua relativa eficiência. Mais de 1.000 pessoas foram utilizadas nesses experimentos, e desses, mais da metade morreu como resultado.
Fonte: Distel, Barbara (1972). Text of Museum booklet about Dachau Concentration Camp.


 Uma experiência de imersão em água fria conduzida no campo de concentração de Dachau, na Alemanha. (foto: reprodução)

O Campo de concentração de Dachau foi construído em 1933 pelos nazistas em uma antiga fábrica de pólvora próxima a cidade de Dachau, cerca de cinco quilômetros ao norte de Munique, no sul da Alemanha.

O projeto deste campo de concentração, o primeiro dos nazistas e projetado pelo Kommandant Theodor Eicke, foi o modelo para os outros campos construídos. 

Dachau chegou a abrigar mais de duzentos mil prisioneiros de mais de trinta países e, a partir de 1941, foi usado para o extermínio de cerca de trinta mil pessoas. 29 de abril de 1945, a 42ª Divisão de Infantaria do Exército dos Estados Unidos (EUA) foi encarregada de libertar o campo de concentração. A primeira visão que os soldados tiverem, ao chegar ao campo, foi de centenas de mortos, empilhados, junto a um comboio de 39 carruagens. Segundo consta, os mortos estavam lá havia dias (alguns já em avançado estado de decomposição). Tinham sido retirados apressadamente de outro campo de concentração, Buchenwald, e a maioria morrera de fome durante a viagem.




Os soldados, totalmente em estado de choque com a visão, tomaram para eles o lema "Take no Prisoners" (Não fazer prisoneiros) e começaram a executar os primeiros SS que encontraram. Há vários registos de execuções, na maioria actos de vingança individuais de soldados e até de alguns prisoneiros, que atacaram os seus antigos opressores.
Após a libertação do campo, os 32 000 prisoneiros que lá se encontravam saíram num espaço de seis semanas. Durante essa altura, formou-se um Comité de prisoneiros, que funcionando como um governo, se encarregou de evitar fugas de prisioneiros e melhorar as condições dos campos.

A libertação dos prisoneiros foi morosa: além dos habituais problemas de desnutrição e dificuldades em arranjar transporte dos presos para o seu país natal, havia uma epidemia de Febre Tifóide que dizimou milhares de presos. Como tal, de modo a evitar uma pandemia européia, foram curados e vacinados todos os presos.
A partir de 1948, o campo de Dachau foi usado como campo de refugiados, situação que perdurou até cerca da década de 1960, onde se erigiu o Memorial que hoje existe.

Nota: Dachau é célebre não só por ter sido um dos maiores campos de concentração nazis, mas também por ter sido o primeiro a ser construído no regime hitleriano (foi construído cerca de seis semanas após Hitler ascender ao poder).

•    1940 - 1515
•    1941 - 2576
•    1942 - 2470
•    1943 - 1100
•    1944 - 4794
•    1945 - 15384 (Houve o reaparecimento da epidemia de Tifo o que elevou a taxa de mortalidade).

Fonte: http://www.kz-gedenkstaette-dachau.de/fotos da Net e da Wikipédia.

EXPERIMENTOS COM TIFO - A FEBRE TIFOIDE




 Buchenwald em Abril de 1945, fotografia tirada após a libertação do campo pelas
tropas norte-americanas.

Em dezembro de 1941 até fevereiro de 1945, experimentos foram conduzidos para investigar a ineficácia dos pontos com febre e outras vacinas. Em Buchenwald, uma grande quantidade de detentos saudáveis foram deliberadamente infectados com a bactéria do tifo para manter as bactérias vivas; Mais de 90% das vítimas morreram. Outros detentos saudáveis foram usados para determinar a ineficácia das vacinas e um número de diferentes produtos químicos. No decorrer desses experimentos, 75% dos detentos foram vacinados ou alimentados com uma das substâncias químicas e, após um período de três a quatro semanas, foram infectados com germes de febre com pontos. Os restantes 25% foram infectados, sem qualquer proteção prévia para comparar a ineficácia das vacinas e produtos químicos. Centenas de indivíduos morreram. Foi também realizado experimentos com a febre amarela, a varíola, tifo, paratifo A e B, cólera e difteria. Similar experimentos foram realizados com resultados semelhantes em Natzweiler.
fonte: Experimentos médicos en Natzweiler-Struthof.

 Campo de concentração de Buchenwald

The horrors of Buchenwald. guardian.co.uk (1945-04-18).
Harvard Law Library, Nuremberg Trials Project: A Digital Document Collection.
 



Devido à resistência que resultou das experiências em barracões onde os prisioneiros viviam lado a lado em pouco espaço, o vírus que se desenvolveu no Bloco matou mais pessoas e infectou mais longamente do que o tifo normal.

O relógio na sua torre mostra aos visitantes o horário das 15:15h, momento da libertação pelas tropas norte-americanas, quando se iniciou o resgate de 21 mil pessoas, entre as quais 900 crianças.

Homeopatas dos Pés Descalços

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

MEDICINA E HOLOCAUSTO III



 

Experimentos sobre Congelamento




Em 1941, a Luftwaffe conduziu experimentos para aprender como tratar a hipotermia. O estudo forçou pessoas a ficarem em um tanque de água gelada por até três horas. Outros estudo colocaram prisioneiros nus em campo aberto durante várias horas com temperaturas abaixo de zero. O experimentadores avaliaram diferentes formas de reaquecimento dos sobreviventes . Os experimentos sobre congelamento/hipotermia foram conduzidos para o alto comando nazista. Os experimentos foram conduzidos em homens para simular as condições dos exércitos sofrido na Frente do Leste, e como as forças alemães estavam mal preparadas para o frio intenso.
 

Os experimentos foram conduzidos em Dachau e Auschwitz. Rascher notificava os resultados diretamente à Heinrich Himmler, e divulgava os resultados de suas experiências sobre o congelamento na conferência de médicos de 1942 intitulada "Problemas Médicos decorrentes do mar e do Inverno."
Os experimentos de congelamento eram divididos em duas partes. Em primeiro lugar, para determinar quanto tempo seria necessário para baixar a temperatura corporal até a morte, e segundo, qual a melhor forma de reanimar a vítima congelada. Método do cubo gelado provou ser o meio mais rápido para a queda da temperatura corporal. As seleções para os experimentos eram feitas entre jovens saudáveis judeus e russos. 

(experiência usando humanos nos campos nazistas -II Guerra Mundial)
Eles estavam nus e preparados para o experimento. Uma sonda que mede a diminuição da temperatura corporal era inserido no reto. A sonda foi mantida no lugar por um anel metálico expansível, que foi ajustada para abrir dentro do reto para segurar a sonda firmemente no lugar. A vítima foi colocada em um uniforme da força aérea, e depois colocada na poça de água fria e começava a congelar.

Wolfram Sievers (Hildesheim, 10 de Julho de 1905- 2 de Junho de 1948) foi um dirigente da Ahnenerbe. Vendedor de livros; entrou para o NSDAP em 1929, e logo depois trabalhou em Dachau com August Hirt.

foto de Wolfram Sievers - wikipédia

Participou de experimentos de congelamento com prisioneiros de guerra. É estimado que ele foi responsável pela morte de 300 pessoas. Sievers foi sentenciado a morte em 20 de Agosto de 1947 por crimes contra a humanidade no Processo contra os Médicos, e enforcado em 2 de Junho de 1948.

http://www.nizkor.org/hweb/imt/tgmwc/tgmwc-20/tgmwc-20-198-04.shtml Processo de guerra.
 Medical Experiment. Jewish Virtual Library. Página visitada em 2008-03-23.
El proceso a los doctores: El caso médico de los juicios de Nuremberg. Museo Norteamericano en Conmemoración del Holocausto. Página visitada em 2008-03-23.
2006, History Channel, "Decoding the Past".
Cults: Dangerous Devotion: Scholars and survivors discuss the mystery of cults. (120 min). History. (PG/TV-PG)
Homeopatas dos Pes Descalços

TENDÊNCIAS EMOCIONAIS DO INDIVÍDUO/PARTE I

Não é novidade pra   ninguém que   somos fãs   do   Dr. Nilo Cairo. Seguindo  uma   linha   respeitosa e dinâmica dentro da homeopatia clássica, esse médico no   qual não   tivemos a     possibilidade    de conhecer pessoalmente   deixa   pequenos    tesouros    e    grandes observações   em seus   escritos, estes    por sua   vez,   compilados, revistos  e   aumentados pelo    Dr    Brickmann (Guia de Medicina Homeopática – pg. 1018/1019).
Às vezes, estamos diante de um impasse  na escolha da   medicação certa, aquela que abrirá as portas para a  melhoria  da  qualidade de vida do indivíduo; e é aí que achamos essas observações,  itens que não devem ser a única forma de diferenciar uma medicação/personalidade, mas que serve para fazer aquele link que falta.

Neste entendimento e seguindo esse pensamento de ajuda premente em casos que devam ser levados em    considerações    detalhes   de suma importância para a   definição   da melhor   homeopatia  a  ser aplicada; é que fazemos as observações que se seguem:

“A alma é uma função do cérebro (o profº Nilo Cairo era positivista – justificando assim a observação feita por ele sobre a alma) e assim como se curam as várias perturbações das outras funções   do corpo, assim também podem ser curadas as perturbações  para mais ou para menos dos nossos instintos, do nosso espírito e  das   nossas qualidades de caráter.”

Eis um exemplo na prática;

Todo indivíduo é dotado de vaidade, como  todo  o   fígado        de secreção biliar, mais quando essa vaidade ou essa secreção biliar e excedem, tornam-se estados mórbidos que devem   ser      curados, então o Chelidonium ou a Bryônia podem resolver o problema  da secreção e dominar o fígado como o   Palladium   pode   trazer    a vaidade aos seus justos limites.

*Acanhamento: Anacardium. Or, Ambra e Gelsemium.
*Orgulhoso e arrogante: Platina,
*Vingativo e rancoroso: Chamomilla, Sépia, Nitri acid., Nux Vômica e Cocculus. Aqui acrescentamos Conium a ser observado.
*Perverso: Belladonna e Cocculus.
*Espírito de crueldade, violência e desumanidade: Platina, Stramonium, Veratrum Album, Belladonna, Cantharis, Nitri acid, Anacardium.
*Impertinência: Chamomilla.
*Rabugento: Antimonium Crudum.
*Egoísta e Misantropo: Sulphor, Arsenicum Album, Lycopodium.
*Espírito de contradição: Antimonium Crudum.
*Teimoso: Platina, Calcárea Carbônica, Lycopodium, Silicea, Nitricum AC.
*Pessimista: Nux Vômica.
*Desejo de matar as pessoas que ama: Nux Vômica;
*Leviano: Fluoris Acid,
*Tendência suicida ao ver faca ou sangue: Alumina,
*Remorso: Cyclamen,
*Indeciso e irresoluto: Baryta Carbônica, Ignátia, Pulsatilla, Graphites e Croccus,
*Desconfiado: Anacardium or., Apis, Hyosciamus, Lachesis, Mercurius sol.
*Apático e indiferente: China, Sépia, Baptisia, Phosph. Acid.
*Volúvel: Ignátia, Pulsatilla, Nux Moschata,
*Desanimado e triste - Stannum, Iodum, Aurum met.
*Riso descontrolado – Nux Moschata, Cannabis Indica, Hyosciamus.
*Fala excessiva: Lachesis, Agaricus, Stramonium.
*Sem energia: Aletris.
*Preguiçoso e negligente: Apis, Gelsemium, Kalí Phosphoricum, Phosphoricum Acidum, Graphites e Calcárea Carbônica.
*Covarde: Agnus Castus, Conium.
*Medroso: Aconitum, Scutellaria.
*Aversão a água e a falta de asseio: Ammonium carbo e Sulphor.
*Desmazelado e porco: Capsicum, Sulphor, Tarântula Hispânica.
*Desespero: Natrum Muriáticum.
*Gosta muito da rua: Bryonia.
*Carola e Beato: Stramonium.
*Tendência a se assustar facilmente: Phosphorus.
*Comportamento vadio: Agaricus, Zincum, Conium, Carbolicum Ac., Picricum AC.

Todas essas medicações são indicadas na 200ª dinamização, sendo uma dose a cada 8 dias.
Não deixe de consultar o seu hoemopata.
Homeopatas dos Pés Descalços.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

MEDICINA E HOLOCAUSTO - PARTE II

Os presos foram coagidos a participar: 
não sendo voluntários de boa vontade. 

Eis o que chamaram de medicina naqueles tempos de guerra. Fica aqui a opção de pensarmos: aonde morre a parte humana e sobrevive o monstro, onde acaba a vocação de salvar vidas e entra o desejo de se tornar Deus?
 
Normalmente, as experiências resultaram em morte, desfiguração ou incapacidade permanente. Em Auschwitz e outros campos, sob a direção do Dr. Eduard Wirths, os detidos eram submetidos a diversas experiências que supostamente ajudariam na guerra, desenvolvendo novas armas, ajudando na recuperação dos militares que haviam sido feridos, e para o avanço da ideologia racial apoiada pelo Terceiro Reich.
Experimentos envolvendo crianças e particularmente gêmeos, tinham como principal responsável o médico Josef Mengele, que realizou experiências em mais de 1500 gêmeos, dos quais apenas cerca de 200 sobreviveram aos experimentos. Depois da guerra, os crimes foram julgados pelo que ficou conhecido como o Julgamento dos Médicos, a revolta dos abusos perpetrados levou ao desenvolvimento do código de ética médica em Nuremberga.

 Fonte:
  1. Nazi Medical Experimentation. Museo norteamericano conmemorativo del Holocausto.
  2.  Josef Mengele and Experimentation on Human Twins at Auschwitz, Children of the Flames; Dr. Josef Mengele and the Untold Story of the Twins of Auschwitz, Lucette Matalon Lagnado and Sheila Cohn Dekel, and Mengele: the Complete Story by Gerald Posner and John Ware.

Em suas experiências com seres humanos em Auschwitz, ele injetou tinta azul em olhos de crianças, uniu as veias de gêmeos, deixou pessoas em tanques de água gelada para testar suas resistências, amputou membros de prisioneiros e coletou milhares de órgãos em seu laboratório.


A partir de 1943, os gémeos eram seleccionados e colocados em barracões especiais. Quando na rampa de seleção localizava gêmeos, os irmãos eram colocados num recinto especial e eram tratados melhor que os restantes internos. Praticamente todas as experiências de Mengele careciam de valor científico, mas foram financiadas pelo governo nazista. Incluíam, por exemplo, tentativas de mudar a cor dos olhos mediante injeções de substâncias químicas nos olhos de crianças, amputações diversas e outras cirurgias brutais e, pelo menos numa ocasião, uma tentativa de criar siameses artificialmente mediante a união de veias de irmãos gémeos (a operação foi um fracasso e o único resultado foi que as mãos dos pacientes se infectaram gravemente). As pessoas objeto de experiências de Mengele, no caso de sobreviverem, foram quase sempre assassinadas depois para dissecação.
Em cooperação com outros médicos, Mengele tentou também encontrar um método de esterilização em massa; muitas das vítimas foram mulheres a quem injectava diversas substâncias, sucumbindo muitas delas ou ficando estéreis noutros casos.


Mengele fez experiências com ciganos e judeus que tinham doenças hereditárias como nanismo, síndrome de Down, irmãos siameses e outras afeções e dissecou vivas algumas pessoas mestiças, submergindo depois os seus cadáveres numa tina com um líquido que consumia as carnes, deixando livres os ossos. Os esqueletos eram enviados para Berlim como macabro mostruário da degeneração física dos judeus ou outros.

 
Assinatura de Josef Mengele.
Por vezes realizava sessões de submersão em água gelada de prisioneiros fortes para observar as suas reações ante a hipotermia. Também cooperou com o seu equivalente da Força Aérea, o médico Sigmund Rascher da Luftwaffe, em algumas experiências em que submetia pessoas a mudanças de pressão extremas, e os indivíduos morriam com horrorosas convulsões por excessiva pressão intracraniana. Rascher foi o equivalente de Mengele na experimentação em seres humanos, mas com fins militares. A sua perversidade andava a par da de Mengele, mas a sua história e final foram muito distintos.


Devido as atrocidades cometidas por ele durante a guerra, seu título de Doutor foi revogado pelas Universidades de Frankfurt e Munique.

Mengele fez numa ocasião carregar um vagão de trem com caixões que os prisioneiros notaram "demasiado pesados para o seu volume". Os caixões iam com destino a Günzburg e alguns prisioneiros deduziram correctamente que continham lingotes de ouro, provenientes das extrações dentárias das vítimas do campo. Este foi um dos primeiros indícios de que Mengele tinha pressentido o fim da Alemanha Nazista.

 De oficial e médico a anjo da morte.

Mengele morre em Bertioga, cidade praiana no Estado de São Paulo, Brasil - morre afogado em  1979 com 67 anos.

Fonte:  "Scientists Decide Brazil Skeleton Is Josef Mengele.", New York Times, July 22, 1985. Página visitada em 2008-03-21. “American, Brazilian and West German scientists announced jointly today that a skeleton recently exhumed from a graveyard near here was unquestionably that of Dr. Josef Mengele.”
Fotos retiradas da net e Wikipédia/Pt.

Homeopatas dos Pés Descalços

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

MEDICINA E HOLOCAUSTO

La farmacia del gueto de Cracovia. Tadeusz Pankiewicz.

En otras ocasiones en este blog hemos hablado sobre personas que ante la barbarie y el sufrimiento de otros no permanecieron impasibles y adoptaron un papel de salvador o rescatador a costa de sus propias vidas.  

Hoy vamos a contar la historia de Tadeus Pankiewicz, farmacéutico de Cracovia. El fue el único habitante no judío del gueto de Cracovia, Podgorze. Regentaba la farmacia conocida como: La Farmacia del Aguila, ubicada en la Plac Zgody que era el lugar desde donde salían los transportes de los judíos hacia los campos de exterminio.  En el gueto los nazis confinaron a 17.000 judíos entre 1941 y 1943.
 La farmacia de El Aguila, era el único lugar del gueto en el que se podía obtener información del exterior.  Asimismo era un punto de reunión de los  resistentes judíos del gueto y los partisanos del ejército polaco deliberación. 
 Tadeusz Pankiewicz en la puerta de la farmacia

Pankiewicz suministró comida a los judíos del gueto, prestó cuidados médicos  y ayudó a muchos a escapar a través de un falso tabique que comunicaba la farmacia con el gueto.
En 1947 Pankiewicz publicó sus memorias: La Farmacia del Gueto de Cracovia,  donde relata el papel jugado por la farmacia en aquellos trágicos días. Siguió trabajando hasta 1953, falleciendo en 1993.
En 2003 se inauguró un museo dentro de la farmacia, que es visita obligada para todos los que se acercan al gueto de Cracovia y a la cercana fábrica de Oskar Schindler, convertida también en  otro magnífico museo.
Muchas escenas de la película La lista de Schindler transcurren en Cracovia y en este gueto.

Muro del gueto de Cracovia
Em meio as atrocidades da II Guerra Mundial e com o Holocausto batendo a porta, relembremos quem fez alguma coisa.
  
Ambos, Tadesuz Pankiewicz y Oskar Schindler, fueron nombrados Justos entre las Naciones
Homeopatas dos Pés Descalços

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

POPULUS CANDICANS





Também conhecida como Balsamo de Álamo.











Seu uso na Homeopatia é dado a tintura mãe e empregado de forma a combater  a afonia total, as gripes acompanhadas com rouquidão e tudo isso em conjunto com a observação de que o corpo está moído.

Na fitoterapia, ela segue com um pouco mais de aplicabilidade e é adicionada na forma de chá ou de cataplasma. PROIBIDO O USO NA GRAVIDEZ.

Tem propriedades, anti-sépticas, anti inflamatórias e analgésicas, devido a sua alta concentração de salicina - tem sido usada para os mesmos princípios básicos da aspirina.

Na construção popular das medicações, o reumatismo encontra aqui ajuda, na forma de cataplasma e o mal estar do corpo, causado por gripes, tosses e inchaços na forma de chás, das cascas e das folhas.

É sem dúvida um grande ajudante natural no combate a amigdalite, artrite, psoríase e dores de garganta entre outros.

Homeopatas dos Pés Descalços

MEPHITIS PUTORIUS
(DONINHA DA AMÉRICA DO NORTE)

Sobre esta medicação, o Dr. Neidhard, deixava claro que desde 1851, ele já fazia sucesso no combate a coqueluche, apontando-o como o melhor para o tratamento desta moléstia. Outros contemporâneos dos dias atuais fazem referencias a essa medicação no mesmo sentido, incluindo as especificações de sufocação e de tosse espamódica violenta.


Entretanto, a referencia mental mais completa é dada pelo Professor de Materia Medica Homeopática da Faculdade da Pensilvânia, Dr. Adolph Lippe, MD, que assim a descreve:

*Tagarelice, como se estivesse com grande embriagues.
*Animado, com o calor da cabeça.
*Zangado com ninharias ou sobre coisas imaginárias.
*As fantasias são tão vívidas que ele está incapacitado, para o trabalho mental.

para além da expiração difícil, a agravação notadamente e acentuada a noite, catarro no peito e as crises de asma que se seguem, um dado nos é bastante peculiar e fisicamente falando demarcante, no que se trata a indicação e uso dessa medicação: Ele dirá claramente que sente e tem a sensação de estar respirando vapores com cheiro de enxofre.

Homeopatas dos Pês Descalços

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

MAGNÉSIA MURIÁTICA - (CLORETO DE MAGNÉSIO)


 O SOFRIMENTO DE UM PACIFICADOR
MAGNÉSIA MURIÁTICA – (CLORETO DE MAGNÉSIO)



 Cloreto de Magnésio.

Conhecido como um dos maiores antipsóricos da matéria médica seus maiores pontos chaves são: Controle, Imaginação, sensibilidade e Nostalgia, se juntar tudo isso chegamos a Magnésia Muriática. A ansiedade dessa personalidade acontece depois que ela fecha os olhos para dormir (fala e gesticula ansiosamente enquanto dorme) e nem pense em insônia, porque não é, assim que ela termina de comer, com febre e sensações de estar adoecendo por causa da comida e 2 a 3 dias antes e depois do período menstrual.

Ruídos e vozes, murmúrios e sustos. Essa personalidade é facilmente sensibilizada por essas condições. Assim sendo o estado de angústia que ela acorda após um pesadelo é de dar dó.


Não gosta de conversar, prefere estar só e tem o choro fácil e a nostalgia bem presente. A maior dúvida e sentimento que tem é a de não saber nada da sua gestação, de como foi, se sofreu, como era... Seu medo é de achar que alguém ou alguma coisa está atrás dele ou acabou de morrer bem atrás dos seus passos.
No fundo a Magnésia Muriática não digere nem as coisa nem a vida. Disfarça e passa por cima até o adoecimento e de uma forma de tirar o chapéu, poucas medicações se dão a esse luxo. Talvez a toxidade de sua personalidade/estrutura física venha daí.

Virtudes na vida diária não faltam a essa Magnésia, luta contra a violência de forma bem marcada. Os outros há uma excelência em comportamento, mas ninguém vai conviver intimamente com ele. O medo da perda e a necessidade de se fechar são enormes. Cuida da resolução dos outros e, portanto é tido como pacificador, o grande conselheiro, o mediador das causas sensíveis e difíceis, aberto a ajudas e sempre buscando um trabalho conjunto e nem pense que ele não vem trabalhando o seu próprio caminho, mas não se convence do seu crescimento pessoal, sempre falta algo, a nostalgia de um fato que não pode saber; que não lhe é possível saber.

O controle e a tolerância que essa medicação usa para com os outros e o trabalho, são igualmente depositadas internamente, ou seja, não há fígado que agüente. Esse órgão por sua vez, vem distribuir ao longo dos anos todas as doenças graves que afligem essa personalidade e em todas as abrangências.

Na medicina oriental o fígado é responsável pelos músculos e a dispersão da adrenalina – pense não dispersar essa supressão toda? Dores, dores, dores.

Assim corre para os doces e sente a necessidade da fruta para aliviar os ácidos que produz. A vontade de estar livre de tudo e de pensar sobre tudo é tão grande que se estiver nevando, ele põe o casaco e vai dar uma voltinha. Tudo ao ar livre melhora.
Adoecendo com o passar do tempo a expressão de azedo toma conta das usas ações e da sua fisionomia, o medo de perder, a insatisfação, a falta de vida emocional e a constante necessidade de se fechar, acaba por dominar e adoecer a Magnésia Muriática ao longo dos anos e muito dificilmente verá isso. Eis uma medicação de difícil ajuda e ajuste do remédio. A sua vida é difícil, não consegue achar os suportes que oferece aos outros. A sua crise histérica com choro compulsivo chega quando já está pra lá de insuportável e ainda é capaz de sentir uma enorme raiva se mantendo com o semblante de calma profunda.

Seu senso de dever ultrapassa o que normalmente conhecemos e a sua sensibilidade emocional para tudo também.

Nas mulheres as regras com coágulos e sangue negro são comuns, seguem-se transtornos uterinos. De forma geral sendo o fígado seu órgão de eleição, a icterícia, a psoríase, as dores nas costas e no corpo como se tivessem levado uma surra fazem parte da sua vida.
Quando a ansiedade não encontra saída explode em erupções. Para essa medicação todos os problemas dos outros tem solução e mesmo que não fuja dos seus próprios problemas, ele não encontra saída, imerso em si mesmo.

Algumas considerações devem ser relatadas aqui, a Magnésia Muriática ou cloreto de magnésia também está na lista dos melhores remédios para o tratamento de pólipos e verrugas, além de Thuya, provavelmente é a medicação que mais se é aplicada para esses casos.


Outras indicações úteis ficam a cargo de algumas reclamações específicas e indicações de deficiências já estabelecidas como:

1. Bulimia;
2. Grande e devastadora fome sem que se possa saber ao certo o que se deseja comer – ligado diretamente ao alto grau de ansiedade;
3. Urticária que se apresenta apenas a beira mar;
4. Maus efeitos de banhos de mar – passa mal, pois o relaxamento normal das pessoas diante do mar e da água salgada não ocorre;
5. Total falta de sensibilidade da bexiga e da uretra, sendo que se a pessoa não ver a urina sair, não poderá dizer que urinou, ela não sente nada;
6. A hipertrofia do fígado em crianças e a congestão hepática em adultos com a língua amarela são indicativos altos do uso da Magnésia Muriática.

Indicações homeopáticas como: Lycopodium, Belladonna, Nux Vômica, Pulsatilla, Sépia e Natrum Muriaticum devem ser observadas com cuidado, pois apresentam semelhanças no diagnóstico diferencial, além de servirem como complemento da própria Magnésia Muriática.

Homeopatas dos Pés Descalços
(lembre-se de consultar o seu Homeopata)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquise por matéria específica