Amigos do Blog

Pesquisar este blog

quinta-feira, 26 de junho de 2014

TRILHAS DA INIQUIDADE: SAÚDE DE POVOS CIGANOS E POLÍTICAS PÚBLICASNO BRASIL



TRILHAS DA INIQUIDADE: SAÚDE DE POVOS CIGANOS E POLÍTICAS PÚBLICASNO BRASIL

INIQUITY TRACKS: HEALTH OF GYPSIES OF PEOPLE AND
PUBLIC POLICIESIN BRAZIL

CAMINOS DE LA INIQUIDAD: SITUACIÓN DE SALUD DE LOS PUEBLOS GITANOS Y POLÍTICAS PÚBLICAS EM BRASIL

http://www.gestaoesaude.unb.br/index.php/gestaoesaude/article/viewFile/517/pdf

Manoel Guedes de Almeida
1
, Débora Regina Marques Barbosa
2
, José Ivo dos Santos Pedrosa
3
RESUMO

O presente estudo aborda a saúde da população cigana e sua inserção nas políticas públicas em saúde, de modo a contribuir para a discussão sobre essa minoria étnica nas ações do Sistema Único de Saúde. Trata-se de revisão integrativa através das bases Scielo, LILACS e Google Scholar por meio dos descritores Ciganos, Cigana, Cultura, Saúde, Identidade, Promoção da Saúde, Equidade e Políticas, agrupados ou isoladamente, com o objetivo de responder à questão “como as políticas públicas de saúde se relacionam com as necessidades impostas pelas características da população cigana"?. Aspectos característicos da etnia, como o nomadismo e suas implicações, além de péssimas condições de habitação e saneamento básico, baixa escolaridade, estrutura familiar nuclear, preconceito marcante, dentre outros, corroboram para necessidades em saúde que são próprias do grupo e que exigem formas especiais de atenção e cuidado. No campo das Políticas de Saúde, esse entendimento tem tateado e há quase total invisibilização da etnia no que se refere à atenção nos serviços de saúde. Em conjunto, esses fatores corroboram para um quadro de maior risco de adoecimento e morte sobre o qual não se destina nenhuma atenção especial em saúde.

Descritores:
Ciganos; Saúde; Políticas Públicas; Serviços de Saúde.
1
Graduando em medicina pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Membro do Grupo de Estudos em
Saúde Pública (GESP/UFPI). E-mail: manoel.medufpi@gmail.com
2
Graduanda e enfermagem pelo Instituto de Ensino Sup
erior Múltiplo (IESM/MA). E-mail: ddebora.regina@gmail.com
3
Médico, professor doutor da Universidade Federal do Piauí (UFPI). E-mail: jivopedrosa@gmail.com
Revista Eletrônica Gestão & Saúde ISSN:1982
-
4785
Almeida MG,Barbosa DRM, Pedrosa JIS Trilhas da iniquidade: saúde de
povos ciganos
e políticas públicas no Brasil
Revista Eletrônica Gestão & Saúde Vol.04, Nº. 03, Ano 2013 p.11
16
-
29
1117

ABSTRACT

The present study focuses on the health of the Roma population and their inclusion in public health policies in order to
contribute to the discussion of this ethnic minority in the actions of the National Health System It is integrative review through the bases SciELO, and LILACS Google Scholar through descriptors Gypsies, Gypsy Culture, health, Identity, health Promotion, Equity and Policy, grouped or individually, in order to answer the question "how public health policies relate to the needs imposed by the characteristics of Roma "?. characteristic features of ethnicity, as nomadism and its implications, as well as poor housing and sanitation, low education, nuclear family structure, striking bias, among others, to corroborate health needs that are specific to the group and forms that require special attention and care. in the field of health Policy, this understanding has groped and there is almost total invisibility of ethnicity in relation to health care services. together, these factors serve to support a framework for higher risk of illness and death on which there is intended any special attention in health.
.
Keywords: Gypsies, Health, Public Policy Health Services

RESUMEN

El presente estudio se centra en la salud de la población gitana y su inclusión en las políticas de salud pública a fin de contribuir a la discusión de esta minoría étnica en las acciones del Sistema Nacional de Salud es a través de la revisión integradora bases SciELO y LILACS Google Académico a través de descriptores gitanos, gitano Cultura, Salud, Identidad, Promoción de la Salud, Equidad y Políticas, agrupados o individualmente, con el fin de responder a la pregunta "cómo las políticas de salud pública relacionadas con las necesidades impuestas por las características de Roma "?. rasgos característicos de la etnia, como el nomadismo y sus consecuencias, así como la precariedad de la vivienda y el saneamiento, la educación bajo, estructura de la família nuclear, sorprendente sesgo, entre otros, para corroborar las necesidades de salud que son específicos de la grupo y las formas que requieren especial atención y cuidado. en el campo de la política de salud, este entendimiento ha manoseado y hay invisibilidad casi total de la etnicidad en relación con los servicios de atención de salud. Juntos, estos factores sirven para apoyar un marco de mayor riesgo de enfermedad y muerte en los que se haya previsto ninguna atención especial en materia de salud.
Descriptores: Gitanos, Salud, Servicios públicos de Protección de la Salud.

Revista Gestão & Saúde (ISSN 19824785).
Revista coordenada pelo Nucleo de Estudos em Educação, Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos (NESPROM), do Centro de Estudos Avançados Multidiciplinares (CEAM), da Universidade de Brasília (UnB).

Homeopatas dos Pés Descalços.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

PONTO DE VISTA






“Se não soubesse com que finalidade eu fui posto aqui  na Terra – ‘para tornar-me  melhor tanto quanto possível e tornar melhor tudo que me rodeia e que eu tenha o poder de melhorar’ – eu deveria me considerar muitíssimo imprudente se tornasse conhecida para o bem comum, ainda antes de minha morte, uma arte que só eu possua e que está dentro do meu poder fazê-la tão rentável quanto possível, bastando mantê-la em segredo”. (Samuel Hahnemann, Prefácio à primeira edição de “Doenças Crônicas, sua natureza peculiar e sua cura homeopática”, 1828) 

Homeopatas dos Pés Descalços

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Medicina Tradicional Chinesa-Acupuntura/Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares – 1º Edição.


Medicina Tradicional Chinesa-Acupuntura

                                                                              Política Nacional de Práticas Integrativas e
                                                                                                        Complementares – 1º Edição.

                                                                      foto da net.


A Medicina Tradicional Chinesa caracteriza-se por um sistema médico integral, originado há milhares de anos na China. Utiliza linguagem que retrata simbolicamente as leis da natureza e que valoriza a inter-relação harmônica entre as partes visando a integridade. Como fundamento, aponta a teoria do Yin-Yang, divisão do mundo em duas forças ou princípios fundamentais, interpretando todos os fenômenos em opostos complementares.

O objetivo desse conhecimento é obter meios de equilibrar essa dualidade. Também inclui a teoria dos cinco movimentos que atribui a todas as coisas e fenômenos, na natureza, assim como no corpo, uma das cinco energias (madeira, fogo, terra, metal, água). Utiliza como elementos a anamnese, palpação do pulso, observação da face e língua em suas várias modalidades de tratamento (Acupuntura, plantas medicinais, dietoterapia, práticas corporais e mentais).

A Acupuntura é uma tecnologia de intervenção em saúde que aborda de modo integral e dinâmico o processo saúde-doença no ser humano, podendo ser usada isolada ou de forma integrada com outros recursos terapêuticos. Originária da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), a Acupuntura compreende um conjunto de procedimentos permitem o estímulo preciso de locais anatômicos definidos por meio da inserção de agulhas filiformes metálicas para promoção, manutenção e recuperação da saúde, bem como para prevenção de agravos e doenças. Achados arqueológicos permitem supor que essa fonte de conhecimento remonta há pelo menos 3.000 anos. A denominação chinesa zhen jiu, que significa agulha (zhen) e calor (jiu) foi adaptados nos relatos trazidos pelos jesuítas no século XVII como Acupuntura (derivada das palavras latinas acus, agulha e punctio, punção). O efeito terapêutico da estimulação de zonas neurorreativas ou "pontos de acupuntura" foi, a princípio, descrito e explicado numa linguagem de época, simbólica e analógica, consoante com a filosofia clássica chinesa.

No ocidente, a partir da segunda metade do século XX, a Acupuntura foi assimilada pela medicina contemporânea, e graças às pesquisas científicas empreendidas em diversos países tanto do oriente como do ocidente, seus efeitos terapêuticos foram reconhecidos e têm sido paulatinamente explicados em trabalhos científicos publicados em respeitadas revistas científicas. Admite-se atualmente, que a estimulação de pontos de Acupuntura provoque a liberação, no sistema nervoso central, de neurotransmissores e outras substâncias responsáveis pelas respostas de promoção de analgesia, restauração de funções orgânicas e modulação imunitária.

A OMS recomenda a Acupuntura aos seus Estados-membros, tendo produzido várias publicações sobre sua eficácia e segurança, capacitação de profissionais, bem como métodos de pesquisa e avaliação dos resultados terapêuticos das medicinas complementares e tradicionais. O consenso do National Institutes of Health dos Estados Unidos referendou a indicação da acupuntura, de forma isolada ou como coadjuvante, em várias doenças e agravos à saúde, tais como odontalgias pós-operatórias, náuseas e vômitos pós-quimioterapia ou cirurgia em adultos, dependências químicas, reabilitação após acidentes vasculares cerebrais, dismenorréia, cefaléia, epicondilite, fibromialgia, dor miofascial, osteoartrite, lombalgias e asma, entre outras. (destaque nosso).

A MTC inclui ainda práticas corporais (lian gong, chi gong, tuina, tai-chi-chuan); práticas mentais (meditação); orientação alimentar; e o uso de plantas medicinais (Fitoterapia Tradicional Chinesa), relacionadas à prevenção agravos e de doenças, promoção e recuperação da saúde. No Brasil, a Acupuntura foi introduzida há cerca de 40 anos. Em 1988, por meio da Resolução Nº 5/88, da Comissão Interministerial de Planejamento e Coordenação (Ciplan), teve as suas normas fixadas para o atendimento nos serviços públicos de saúde. Vários conselhos de profissões da saúde regulamentadas reconhecem a Acupuntura como especialidade em nosso país, e os cursos de formação encontram-se disponíveis em diversas Unidades Federais. Em 1999, o Ministério da Saúde inseriu na tabela Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA/SUS) a consulta médica em Acupuntura (código 0701234), o que permitiu acompanhar a evolução das consultas por região e em todo País. Dados desse sistema demonstram um crescimento de consultas médicas em acupuntura em todas as regiões. Em 2003, foram 181.983 consultas, com uma maior concentração de médicos acupunturistas na região Sudeste (213 dos 376 cadastrados no sistema).

De acordo com o diagnóstico da inserção da MNPC nos serviços prestados pelo SUS e dados do SIA/SUS, verifica-se que a Acupuntura está presente em 19 estados, distribuída em 107 municípios, sendo 17 capitais. Diante do exposto, é necessário repensar, à luz do modelo de atenção proposto pelo Ministério, a inserção dessa prática no SUS, considerando a necessidade de aumento de sua capilaridade para garantir o princípio da universalidade.


Pgs 13 à 16
A coleção institucional do Ministério da Saúde
pode ser acessada na íntegra na Biblioteca
Virtual do Ministério da Saúde:

 
Elaboração, distribuição e informações:
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Secretaria de Atenção à Saúde
Departamento de Atenção Básica
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquise por matéria específica